Pesquisar este blog

Willy Aureli (1898-1968, Brasil)


Nome de Nascimento: William Aureli
Data de Nascimento: 18 de junho de 1898
Local de Nascimento: Santos, São Paulo, Brasil
Data de Falecimento: 29 de agosto de 1968 (70 anos, ataque cardíaco)
Local de Falecimento:
Pseudônimos: Willy Aureli







BIBLIOGRAFIA (12 títulos):
 
1931 – A tragédia de Ekaterimburgo
????  - O evadido de Cayenna
1939 – Roncador: Jornada da “Bandeira Piratininga” (publicado em 1943 como Expedição à Serra do Roncador)
1940 – Bandeirantes d’oeste
1942 – Sertões bravios
1949 – Léguas sem fim
1952 – Terra sem sombra
1957 – O rio da solidão
1960 – Esplendor selvagem
1963 – Biu Marrandu: Os donos da chuva
1966 – Samaúma
1973 – Bugres no Rio das Mortes


Nota: Willy Aureli escreveu notas explicativas para o livro Nas selvas do Xingu (1969), de Ayres Cunha Câmara.


OUTRAS INFORMAÇÕES:


  • Willy Aureli foi filho de Augusto Aureli e Luiza Scamperli, e teve um irmão e duas irmãs (Parisina  e Fernanda).
  • Foi casado com Nair Pereira de Abreu (1904-1992), com quem teve um filho e uma filha (Brunilde).
  • Willy Aureli começou a trabalhar como jornalista em 1924 no "Jornal da Noite" e "Gazeta do Povo", em Santos. A partir de 1927 passou a trabalhar como chefe de reportagem policial na "Folha de S. Paulo". Trabalhou também nos jornais "A Época", "O Tempo", "Diário Popular", "Diários Associados" e "Shopping News".
  • Em 1937, Aureli fundou a "Bandeira Piratininga", expedição sertanista com o propósito de desbravar os sertões brasileiros. A experiência vivida nessa expedição é narrada em seu livro, Roncador / Expedição à Serra do Roncador, publicado em 1939. Após isso publicou mais nove livros onde narra suas aventuras sertanistas e seu convivío com as tribos indígenas, além de fornecer informações preciosas sobre a geografia, etnografia, flora e fauna do Brasil.

4 comentários:

  1. Tenho a maioria dos livros escritos por Wylli Aureli, lidos e relidos, por maravilhosos que são Não entendo o motivo de seu esquecimento pelo público mais antigo e pelos meios de comunicação. O público mais moderno está perdoado, por não gostar de ler.
    Humberto de Campos é outro valor da literatura brasileira que foi atirado ao esquecimento. Seus livros são encontrados em sebos e a preço que causa dó. Quanta injustiça!

    ResponderExcluir
  2. Compartilho sua opinião. Li bandeirantes d'oeste eestou em busca de mais titulos.

    ResponderExcluir
  3. Compartilho sua opinião. Li bandeirantes d'oeste eestou em busca de mais titulos.

    ResponderExcluir
  4. Willi Aureli, pelos diversos livros que li dele, era um ser diferenciado. Deveria ter ser livros reeditados e sua vida usada como exemplo de hombridade, merece uma biografia séria. Nas terras de origem dele (Santos/São Vicente)não há nem banco de praça com o nome dele. Na Biblioteca Pública de São Vicente não é nem conhecido pelos funcionários, é de chorar..

    ResponderExcluir